belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Quarta-feira, 30 de Julho de 2008
UM BURRO CARREGADO DE LIVROS É UM DOUTOR

 

Terminado o ano escolar 2007/2008, recordamos o filme "CANÇÃO DE LISBOA", em que o grande actor Vasco Santana representa o perfil de um jovem estudante que frequentou a Universidade de Lisboa. Esse jovem viveu da mesada das tias que viviam em Trás-os-Montes, que nunca tinham vindo à Capital e o consideravam um aluno cumpridor. Ora, O Vasco preferia mais os arraiais, as cantigas populares e as mulheres bonitas, representadas por Alice (Beatriz Costa)... do que estudar...

     Os azares do Vasco sucedem-se: no mesmo dia em que é reprovado no exame final de curso, recebe uma carta em que as tias lhe anunciam uma visita a Lisboa! (E vai ficar desmascarado).

      Infelizmente, há muitos como o Vasco que, em vez de estudarem, passam a vida nas "borgas" e depois mentem aos pais, tias, e à gente lá da "santa terrinha", querendo passar por doutores (cursos terminados) e não passaram dos primeiros anos.

      Por estas e por outras é que nasceu o dito popular: «Um burro carregado de livros é um doutor» ... porque os cábulas andam com os livros de baixo do braço ou com eles às costas dentro das pastas a imitar os turistas e a enganar os que andam a mourejar de sol a sol para sustentarem os vícios dos pseudo-estudantes. Eu conto-me no número dos enganados. Isto não é fantasia.

      Quantos não teriam regressado a casa incluídos no número daqueles que deram origem ao provérbio: «UM BURRO CARREGADO DE LIVROS É UM DOUTOR». E para o ano inventa-se um Mestrado e as Tias continuam a pagar as paródias! E se um dia se terminar o curso com incompetência e alguma sorte, enganam-se os clientes. "Só perde quem tem". 

                                     Artur Monteiro do Couto



publicado por belezaserrana às 21:27
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Julho de 2008
DIVÓRCIO.SIM OU NÃO? O LEILÃO DOS FILHOS.

 

 

      Pensamos que, de um modo geral, todas as pessoas bem formadas concordarão com a filosofia geral que fundamenta o divórcio. Todo o ser humano tem direito a uma existência feliz. Princípio inatacável, sob todos os aspectos. Tratando-se de uma vivência a dois e de um compromisso assumido voluntariamente a dois, também deve ficar claro que um não deve atirar fora da sua vida o outro como se fosse um objecto inútil, insensível e perigoso.
Talvez por isso é que o «PS, PCP e PSD chumbaram o divórcio “a pedido” de um dos cônjuges, na votação da nova lei na especialidade que aprovou o novo regime jurídico do divórcio.» A nova lei põe fim ao conceito de divórcio litigioso, acabando com a noção de violação culposa dos deveres conjugais.
     O divórcio, sem o consentimento de um dos cônjuges, pode ser requerido com base na separação de facto por um ano consecutivo e quaisquer outros factores que independentemente da culpa dos cônjuges, mostrem ruptura definitiva do casamento.”
     Quanto aos efeitos patrimoniais, a partilha passará a fazer-se como se os cônjuges tivessem estado casados em comunhão de adquiridos, mesmo que o regime convencionado tivesse sido comunhão geral.»
    O processo de divórcio por mútuo acordo está simplificado. Tudo se pode resolver na Conservatória do Registo Civil.
  
      Posto isto, vou recordar o que disse um aluno meu em plena aula no Liceu Pedro Nunes, em Lisboa, em tempos que já lá vão, quando se abordou este assunto: «…Isto do divórcio é muito lindo, teoricamente, mas na prática, quem nas paga são os filhos…Os meus pais divorciaram-se; são ricos, e agora “sinto-me num leilão permanente”. Se eu quiser um Mercedes…o outro promete-me um Jaguar. Cada um deles quer conquistar-me para o lado dele/dela… e eu sinto-me um objecto e como se estivesse a fazer o papel de leiloeira…Eu não quero hipotecar-me pelos carros…O que eu queria era o carinho deles e que fôssemos uma família feliz.»
    O Jovem era extremamente simpático e bem formado. Deu-nos a todos uma grande lição.
Às vezes, por coisas insignificantes, afastam-se os filhos dos braços aconchegadores dos pais para cair noutros braços sem amor e que estão à espera dos Mercedes, dos Jaguares e outras benesses. Por prazeres passageiros, põe-se fim a uma felicidade que, com um pouco de calma, inteligência e abnegação, podia ser duradoura , evitar o leilão permanente dos filhos e o casa/descasa das telenovelas reais. Isto dá que pensar e, por vezes, com tristeza.
                                   Artur Monteiro do Couto
     Veja belas fotografias em  www.flickr.com fotos de arturcouto        (153) 
 

música: Fado Povo que lavas no rio

publicado por belezaserrana às 00:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 13 de Julho de 2008
A EMIGRAÇÃO OPEROU UMA REVOLUÇÃO ECONÓMICA E CULTURAL NO BARROSO

 

   A EMIGRAÇÂO OPEROU UMA REVOLUÇÃO ECONÓMICA E  CULTURAL NO  BARROSO

 

A região do Barroso, (formada pelos concelhos de Boticas e Montalegre), sempre foi uma das mais pobres e incultas de Portugal. Isolada no interior norte de Portugal, de braço dado com a Galiza, (Espanha), caminhou ao longo da História com o esquecimento do poder centralizado em Lisboa. Os seus filhos mais corajosos reagiram contra esta situação. Não encontrando remédio dentro das fronteiras, foram buscá-lo noutras partes do Globo; por terra e por mar; a pé ou a cavalo e mais tarde, já nos meados do século XX, de barco, carro ou de avião. A Família não podia viver com uma qualidade de vida semelhante à dos animais que, pelo menos, tinham erva nos campos/lameiros para comer. E ei-los a partir pelo Mundo de Cristo confiantes no êxito. Sofreram no corpo e na alma os efeitos da aventura, mas foram esses, que se fixaram na Europa, sobretudo em França, no Brasil, nos Estados Unidos da América e noutras paragens, que fizeram a revolução cultural no Barroso e evitaram que os seus filhos não conhecessem a dureza da vida que os empurrou, a eles, porta fora.

      Efectivamente, Barroso, a partir da emigração da década de 1960 em diante, mudou substancialmente nas formas do “ TER “ e do “ SER “.

      Recordamos que só depois da Reforma do Ensino do Ministro Veiga Simão (1967-1974) é que o Ensino Oficial Preparatório trepou até às montanhas do Barroso. O ensino gratuito até ao 6º ano só chegou a Boticas pela Portaria nº 664/73 de 4 de Outubro, que criou a Escola Preparatória D. Pedro de Meneses. As Escolas, da maior parte de mais abastados e menos abastados, foram os Seminários destinados a formarem padres. Uns alunos pagavam pouco e outros não pagavam nada; e daqui partiu a grande revolução cultural que os emigrantes provocaram nas regiões mais carenciadas. Reconstruídas as casas, começaram a investir na educação dos filhos, mandando-os estudar em Chaves, Braga, nos Seminários, nos colégios particulares locais, nas Universidades e só muito mais tarde é que aparece a democratização do ensino; mas esta democratização do ensino não custeava as despesas da alimentação, deslocações para a sede dos concelhos, o material escolar, etc.. E foi aqui que o suor e o sangue dos emigrantes apareceu transformado em escudos para que os seus filhos ou netos não fizessem parte da lista a quem estava vedada a possibilidade de irem além da quarta classe, criada pelo Governo de Salazar.

    Hoje, temos gente importante no aparelho de Estado; administradores de grandes empresas, do Estado e Privadas, Industriais e grandes Empresários de sucesso, dentro e fora de Portugal, mas que isto fique bem claro: se não fossem os emigrantes, ainda hoje se andava a fazer as necessidades nas cortes dos porcos, das vacas e nas hortas e os incultos continuariam em números alarmantes. Diz o Povo « Quem não tem dinheiro não tem vício…ou “ não toca viola”. E o dinheiro veio com a emigração. Antes, vegetava-se e andavam os curiosos a arrancar dentes com alicates de arrancar pregos e outras coisas similares. Por tudo isto, aqui fica uma saudação especial aos emigrantes que estão de visita aos familiares, desejando-lhes umas boas férias; aos emigrantes de todos os Continentes e, aos agora, “Cidadãos Europeus”.

                                        Artur Monteiro do Couto

 

  Nota. Cá pelo rectângulo lusitano, à beira-mar plantado, «a crise já levou muitas famílias a terem de entregar as chaves das suas casas aos bancos por não conseguirem pagar os empréstimos de crédito à habitação» Jornal SOL-12-Julho-2008. Por este andar, agora, vão ser residentes das grandes cidades a terem de partir, infelizmente, como fizeram os barrosões.



publicado por belezaserrana às 23:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 8 de Julho de 2008
O FADO TERIA COMEÇADO AQUI FRUTO DA EXPANSÃO ULTRAMARINA

 

 

                     TORRE DE BELÉM - Deste local partiram os navegadores  que deram novos Mundos ao Mundo e que contribuíram para o cruzamento de raças e de culturas.

 A Torre de Belém foi mandada construir no séc. XVI para assinalar o local da partida das Caravelas e homenagear "aqueles que da lei da morte se foram libertando" pelos seus feitos.

 

Segundo declarações do Professor Doutor Ruí Vieira Nery ,Director do Instituto de Etnomusicologia da Universidade Nova de Lisboa, numa entrevista dada ao programa da RTP2 -Câmara Clara- orientado pela jornalista Paula Moura Pinheiro em 29-06-2008,
o Fado teria aparecido em Portugal depois do regresso do Rei do Brasil em 1820 e com ele veio a influência musical Afro-Brasileira.

A partir daí uma nova forma de sentir e de cantar teria dado origem ao Fado, característico de Portugal.
Consultar o livro "História do Fado" do referido Professor para ter ideias mais exactas.
Na referida entrevista foi dito que se distinguiram dois fadistas "castiços": Alfredo Marceneiro e Maria Teresa de Noronha.
AMÁLIA RODRIGUES foi e, mesmo depois de morta, continua a ser a Rainha do FADO PORTUGUÊS no coração dos portugueses e

 o Professor repetiu, mais que uma vez, que a sua Herdeira Internacional é a MARIZA já galardoada em diversas partes do Mundo.

 Verificamos, assim, que Portugal espalhou cultura pelo Mundo e recebeu a cultura desses Povos com quem conviveu durante centenas de anos. A concluir,

repetimosas declarações de Ruí Vieira Nery:

 « o fado é resultante da influência musical Afro-Brasileira».

               Artur Monteiro do Couto

 



publicado por belezaserrana às 20:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sapiãos (Boticas)
subscrever feeds
pesquisar
 
Vida Rural em Sapiãos
Do namoro ao casamento

Aspectos da vida rural
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
Sapiãos no mapa

Ver mapa maior
subscrever feeds
blogs SAPO