belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Sexta-feira, 27 de Março de 2009
O PÃO DE CENTEIO PREVINE OS ENFARTES

 

 

                   

                Modelo de um moinho português -"Jorge Miranda", naFIL-Lisboa-2008

 

         O pão de centeio contribui, mais do que os frutos e legumes, para evitar um enfarte, graças ao seu forte teor em fibras, segundo um estudo finlando-americano publicado na revista « Circulation »., editada em Portugal com o nome de ( Circulação ),sob licença dos editores americanos.
         Ao consumirem três fatias de pão centeio por dia, além da sua alimentação habitual, as pessoas idosas que participaram no estudo reduziram em 17% o seu risco de mortalidade por enfarte, segundo os autores do estudo realizado no Instituto Nacional finlandês da Saúde Pública, em Helsínquia, com a participação de investigadores da Universidade de Harvard e do National Cancer Institute Norte Americano.
         « Todos os tipos de fibras são bons para o coração, mas o centeio é um cereal-milagre», diz Pirjo Pietinem, um responsável do Instituto Nacional finlandês da Saúde Pública. Além disso, as fibras são essenciais para o bom funcionamento do sistema digestivo. Os finlandeses consomem mais um terço de pão de centeio do que os norte-americanos e a American Heart Association recomenda um aumento do consumo diário ao nível dos finlandeses.
          Fica assim demonstrado, cientificamente, que o centeio deve fazer parte integrante de uma alimentação saudável e que de modo algum deve ser substituído por outros tipos de pão, como tem acontecido, ultimamente, na nossa região do Alto Tâmega e Barroso, porque o pão de centeio foi o alimento base de muitas gerações que, ainda hoje, atingem os 80 anos de vida sem recorrerem a medicamentos. Talvez por isso, e por razões históricas, é que assistimos a uma grande preocupação de não deixar perder os moinhos tradicionais para que a gente mais jovem os utilize em proveito próprio nos mais variados aspectos.
 
         Vamos contar-lhes uma história de há cerca de 50 anos:
 - Na aldeia de Ervões, do concelho de Valpaços, vivia o menino Armandinho, filho da professora da Terra e de um comerciante abastado. Na aldeia, três ou quatro famílias com mais haveres, começaram a comer o branquinho pão de trigo e a pôr de lado o escuro, fibroso e tradicional pão de centeio, semeado, ceifado, malhado, moído, amassado, fermentado e cozido no forno comunitário da freguesia. Alguns dos habitantes começaram a criticar o Pároco da aldeia por ser considerado rico e continuar a comer o pão escuro, - o dos pobres.
Com frequência, o menino Armandinho ia lá visitá-lo e sempre que o padre estava a merendar começava por dizer: «trata-te Dias se queres viver mais uns anos…». O miúdo, intrigado por ouvir sempre a mesma cantiga, pergunta-lhe: ó senhor abade, porque repete isto tantas vezes?
   - Responde-lhe o abade Dias: digo isto porque me criticam por não comer o pão branco dos ricos mas eu prefiro comer o dos pobres porque é muito mais saudável e todo o organismo funciona melhor, por isso, o que me preocupa é ter saúde e não a crítica de quem me chama avarento…
- Quem teria razão? Responderam as investigações dos cientistas.
       Terminamos com esta história que me foi contada à hora do almoço do dia 26 de Março do ano 2009, pelo agora Dr. Armando Jorge, em Lisboa.
       Também eu fui criado a comer o pão centeio na aldeia de Sapiãos, Boticas – Trás-os-Montes, e continuo a preferir o pão com o farelo que, noutros tempos se dava aos porcos, do que o "aguento" e fofinho pão de trigo.
Agora, umas aspirantes à elegância, outras, para a manterem, chamam-lhe, impropriamente, o pão integral e é esse que preferem saborear e fazer transformar no seu aparelho digestivo, viajando para o circuito do sangue. (Circulation). Bom proveito.
                                      Artur Monteiro do Couto
 

 



publicado por belezaserrana às 19:33
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sexta-feira, 20 de Março de 2009
PORTUGAL E BRASIL UNIDOS PELAS BELEZAS NATURAIS E PELOS VALORES HUMANOS

 

    
                        Primavera florida                             Brasil na BTL-2009-Lisboa
       
 Começou hoje a sempre desejada Primavera pela beleza e esperança que nos traz de que toda a natureza se vai transformar em flores nos campos, nas hortas e jardins e, com o perfume que vai pairar no ar, as tristezas recolhidas pelo Inverno gelado e de ventos violentos vão passar férias para outras paragens.
         É neste quadro de belezas naturais e artísticas, das festas e romarias que se aproximam, que turistas portugueses e brasileiros se vão cruzar sobre o Atlântico; uns em direcção ao grandioso Brasil que os Portugueses têm ajudado a crescer em todas as dimensões e que até sentem orgulho de se verem ultrapassados pelo Filho ou Irmão... e o mais que sobre ele queiramos dizer; outros, para sentirem de perto a recordação da partida das caravelas.
       Temos ao nosso lado imagens de Iguaçu, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais (um vídeo), Ouro Preto, Belo Horizonte, do Recife, Alagoas, e a «Edição especial Brasil, BTL – Lisboa – Janeiro 2009. Grandes profissionais de turismo deram corpo à promoção de todas as vertentes que movimentam multidões num mundo moderno, cujas fronteiras são a falta de haveres de uns tantos milhões.
       Desde o Minho e Trás-os-Montes até ao Algarve, ouve-
-se falar um português mais doce, com destaque para os jardins do Mosteiro dos Jerónimos, Centro Cultural de Belém, Padrão dos Descobrimentos, Castelo de S. Jorge, Rossio, Terreiro do Paço, etc..
       Ouvindo, à «posteriore», os que partiram e os que chegaram,sentimo-nos felizes por recolhermos testemunhos de momentos encantadores vividos nos dois lados do Atlântico. Foram dias de prazer incomensurável.
           Desejamos muita saúde e dinheiro aos cidadãos brasileiros e portugueses( e de todo o Mundo) para que todos os olhos possam contemplar estas maravilhas embelezadas pelos verdes das searas, dos jardins e flores que a Primavera nos vem trazer todos os anos, e a quem, hoje,damos as boas-vindas..
                               Artur Monteiro do Couto
 
 
     

música: Casa Portuguesa

publicado por belezaserrana às 12:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 13 de Março de 2009
OS DIAS E AS DIFERENÇAS ENTRE O NORTE E O SUL DE PORTUGAL

         

 Saiba quantos minutos aumentam e diminuem os dias do ano em
             Portugal. Assim, poderá  escolher melhor as suas férias.
                                  
   Janeiro.     Durante o mês, o dia aumenta em Lisboa 43 minutos;
                     no Porto aumenta 47 minutos.
   Fevereiro. Durante o mês, o dia aumenta em Lisboa1 hora e 3
                     minutos; no Porto aumenta 1 hora e 5 minutos.
   Março.       Durante o mês, o dia aumenta em Lisboa 1 hora e 16
                         minutos; no Porto, 1 hora e 23 minutos.
   Abril          Durante o mês de Abril, o dia aumenta em Lisboa,1hora
                        e 9 minutos; no Porto, aumenta 1 hora e 14 minutos.
   Maio          Durante o mês, o dia aumenta em Lisboa 51 minutos;
                         no Porto 56 minutos.
  Junho        Durante o mês, o dia aumenta em Lisboa 10 minutos;
                          no Porto, aumenta 11 minutos.
   Julho         Durante o mês, o dia diminui em Lisboa, 38 minutos;
                           no Porto, diminui 42 minutos.
   Agosto      Durante o mês, em Lisboa, o dia diminui 1 hora e 6
                           minutos; no Porto diminui 1 hora e 12 minutos.
   Setembro  Durante o mês, o dia diminui em Lisboa 1 hora e 12
                          minutos; no Porto, diminui 1 hora e 18 minutos.
   Outubro     Durante o mês, o dia diminui em Lisboa, 1 hora e 11
                          minutos; no Porto, diminui 1 hora e 14 minutos.
   Novembro – Durante o mês, o dia diminui, em Lisboa, 52 minutos;
                              no Porto, diminui 56 minutos.
   Dezembro - Durante o mês , o dia diminui, em Lisboa, 28 minutos;
                             no Porto, diminui 29 minutos.  
 
Atenção aos ensinamentos populares para sabermos quantos dias tem cada mês do ano.
  
« Trinta dias tem Novembro, Abril, Junho e Setembro; - de 28 só há um (Fevereiro), e os outros são de 31 (dias).»
 
               Coordenação de Artur Monteiro do Couto


publicado por belezaserrana às 20:02
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 7 de Março de 2009
OS SINOS DAS ALDEIAS DE PORTUGAL - MENSAGEIROS DE ALEGRIAS E TRISTEZAS

   O adro de uma aldeia transmontana (SAPIÃOS-Boticas)             com os sinos no campanário - séc.XVIII.

        Numa época de meios de comunicação altamente sofisticados: satélites, televisões, rádios, telefones, telemóveis, etc., os velhos SINOS instalados nas torres (campanários) das igrejas continuam a exercer as funções de anunciar, às populações, notícias de alegrias e tristezas.

   Anunciam alegrias     quando repicam, (o sineiro bate directa e repetidamente com o badalo contra o sino), nos baptizados, na véspera de natal, ressurreição de Jesus Cristo, na Páscoa; e quando o sineiro o acciona com a cremalheira, a que o povo designa por o sino a dobrar, nos dias festivos, a anunciar que a banda musical chegou à aldeia e vai começar a arruada (banda percorrendo as ruas a tocar), antes das cerimónias religiosas, aos domingos, e dias da semana.
      O sineiro, homem que sabe tocar o sino, consegue variar os sons conforme os actos que quer anunciar. Para anunciar a morte de um homem, toca três vezes seguidas, com um intervalo de 1 minuto; para anunciar a morte de uma mulher, toca duas vezes; o povo diz, se dá duas ou três carreiras, que os sinos estão a dobrar a finados. Na morte dos “anjinhos”,(crianças de tenra idade), repica o sino em sinal de que um anjo partiu para o céu. 
     O toque das Ave-Marias, Trindades e das Almas, prática que se usava quase em todo o país está muito ligado à crença religiosa e também a algumas superstições. Uma das crenças mais arreigadas no povo transmontano era o toque para afugentar as trovoadas.
         Transcrevemos do poema “ Toque das Ave Marias” da Antologia de Poetas de Sempre coordenada por Barroso da Fonte:
                      «Os melros cantam
                        Canta a cotovia
                        Chegam os pastores
                        Quando acaba o dia
                        Cuidados tamanhos
                        Com os seus rebanhos.
                        Mal ouvem o sino
                        De chapéu na mão
                        Param e rezam.
                                  Ave Maria               
     O sino também tinha a função de convocar o Conselho da Aldeia, (os ajuntamentos), presididos pelo Presidente da Junta da Freguesia para resolver problemas colectivos; início dos trabalhos nos caminhos, arranjar os regos da água de rega, a arrebate, em casos de anomalias na vida comunitária, quando há incêndios, etc..
      Os relógios modernos, de torre ou campanário, fazem-
-se ouvir por toda a aldeia, e pelos campos agrícolas, utilizando, ainda, os sinos.
     Muitas destas tradições estão a perder-se à medida que as alterações sociais se vão operando. Mas vão ficar as saudades de todos os que vivemos esses tempos de paz e de solidariedade convocada pelos sinos quando a casa do vizinho estava a arder e ainda se desconhecia a palavra
“ Bombeiros “ e carros de incêndios; ou se suspendiam os trabalhos nos campos, quando os sinos anunciavam os funerais dos vizinhos, para os acompanhar à última morada.
                   Fiquemos nós, agora, com as recordações agradáveis declamadas pelo Grande artista do saber dizer, “ João Vllaret “ que rende a sua homenagem à voz dos sinos, ao teatro vivo das procissões, à decoração das ruas e à participação respeitosa dos cidadãos nas demonstrações religiosas das comunidades, recitando o poema de António Lopes Ribeiro, conhecido como homem de cinema:
                      
                       «Tocam os sinos na torre da igreja,
                        Há rosmaninho e alecrim pelo chão,
                        Na nossa aldeia,
                        Que Deus a proteja,
                        Vai passando a procissão.»
    Ler o poema todo na internet.
                             
                         Artur Monteiro do Couto
 


publicado por belezaserrana às 17:39
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sapiãos (Boticas)
subscrever feeds
pesquisar
 
Vida Rural em Sapiãos
Do namoro ao casamento

Aspectos da vida rural
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
Sapiãos no mapa

Ver mapa maior
subscrever feeds
blogs SAPO