belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Quinta-feira, 27 de Agosto de 2009
Miguel Torga Esculpido em Granito

 

 

Boticas,7 de Agosto 2009

 

Na publicação do Roteiro Torguiano, em 2007, o Presidente da Câmara Municipal de Boticas - eng.º Fernando Pereira Campos – deixou escrito que «Nós também pretendemos eternizar, homenagear, cultivar a escrita de este Transmontano de caneta rija, certeira, por vezes rude, como tal verdadeira, mais sentida, mais nossa, mais Barrosã, mais Botiquense.» Isto, a propósito do que Miguel Torga escreveu sobre localidades do Concelho, nos seus “DIÁRIOS”.

Citamos do Diário de 1 de Setembro de 1991, nas Alturas do Barroso:

    «Incansavelmente atento às lições do povo, venho, sempre que posso, a este tecto do mundo português, admirar no adro da Igreja, calcetado de lousas tumulares, o harmonioso convívio da vida com a morte. Os cemitérios actuais são armazéns de cadáveres desterrados da nossa familiaridade, lacrimosamente repelidos do seio do clã, mal arrefecem, cada dia menos necessários, no progressivo esquecimento, à salutar percepção do que significam na dobadoira do tempo. Ora, aqui, cada paroquiano pisa, pelo menos, dominicalmente, a sepultura dos ancestrais, e se liga a eles, quase organicamente. Vive, numa palavra, referenciado. Sabe que tem presente porque houve passado, e que, mais cedo ou mais tarde, enterrado ali também, será para os descendentes consciência e justificação do futuro.»

               ( Miguel Torga in “Diário XVI”, págs. 99/100) 

 No dizer do Poeta, nesta estátua de granito implantada nos jardins de Boticas,

 «Vive Referenciado» e será para os visitantes de Boticas, «consciência e justificação do futuro.»

    Miguel Torga ficará para sempre eternizado na Sua Obra Literária, admirada por todos os amantes da literatura, a nível nacional e internacional, e neste testemunho de gratidão dos Botiquenses pelo carinho que lhes dispensou nos seus escritos e nas suas frequentes visitas a esta Região.

O material escolhido, o granito, referido no «Reino Maravilhoso – Trás-os-Montes e Alto Douro-» por Ele referido com grande admiração, seria, certamente, o preferido pelo homenageado porque pela sua robustez é o que melhor se identifica com a nobreza de carácter e a verticalidade do conteúdo dos seus livros.

                               Artur Monteiro do Couto

  



publicado por belezaserrana às 10:29
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Sábado, 15 de Agosto de 2009
AS FESTAS TRADICIONAIS E OS EMIGRANTES

                        

                           

 

                               O FADO É AMADO POR NACIONAIS E ESTRANGEIROS  

                                    ( Andreia Rio estreou-se en NEWARK e no Brasil)

            
              
 
     Como as andorinhas regressam aos seus ninhos pela Primavera, os Emigrantes regressam às suas origens para participarem, em conjunto, com as suas famílias, nas festas mais marcantes da Região.
      De norte a sul; de este a oeste da Pátria Lusa, sobretudo nos meses de Julho, Agosto e Setembro, sente-se um ambiente festivo de grande alegria e emoção, durante o dia ou nos arraiais nocturnos, a dançar ao som das tradicionais bandas ou dos barulhentos conjuntos, apreciando, com interesse redobrado, os populares a tocarem os realejos, concertinas e os pares a dançarem à maneira antiga, agarradinhos e aconchegados, como se fazia noutros tempos, quando tudo era considerado libidinoso e pecado. E lá vêm os desabafos… « agora, a mocidade é que sabe gozar a vida…nós éramos uns parolinhos… considerávamos tudo pecado…»
E assim, por estas e outras razões, é que a população do interior do país triplica e m época estival.
     Louvamos as autarquias que apoiam as Comissões das Festas Tradicionais ou transformam algumas delas em festas do Concelho, como acontece em Boticas, evitando problemas com penalizações de ordem administrativa. As economias locais são beneficiadas porque os emigrantes e seus filhos luso-descendentes sentem-se atraídos a investir nas suas aldeias e a sentirem-se felizes nas casas onde nasceram.
      As festas são festas e as festas são alegria. E é esta alegria que desejamos a todos os que, como as andorinhas, vão regressar a novas paragens para, no próximo ano, virem anunciar um novo ciclo de felicidade.
                             Artur Monteiro do Couto

 



publicado por belezaserrana às 15:25
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 5 de Agosto de 2009
A ARTE SACRA BRACARENSE DESFILA NA PROCISSÃO EM BOTICAS.

   AS IMAGENS DOS SANTOS E SANTAS  PAROEIRAS DO CONCELHO DE BOTICAS

 

     Braga sempre foi, e continua a ser, o grande Centro de Arte Sacra em Portugal, com ramificações por todo o Mundo Católico.

     No dia 29 de Agosto celebra-se o nascimento em 1730, em Vila Rica, de António Francisco Lisboa, mais conhecido por " Aleijadinho ", por ter sido um excepcional artista do barroco mineiro, nos Estados de Minas Gerais, Brasil, na cidade de Ouro Preto, em Congonhas do Campo,etc.. Mas Braga, cá distante, mandou mestres para ensinarem essas belas artes agora admiradas pelos visitantes idos de todo o Mundo e que nas explicações últimas vamos encontrar sempre a dinâmica económica dos colonos, missionários e mestres, como os do Aleijadido, para esculpirem maravilhas em pedra e em talha e  cobrirem esta com o precioso ouro saído das minas nesse distante século XVIII..

       Em Portugal, a Arte encontra-se por toda a parte, mas com maior predomínio na igrejas e capelas; públicas ou particulares.

       Em Boticas, dia 15 de Agosto, pelas 18 horas, vão desfilar, em 30 andores adornados com fores naturais, 30 dessas verdadeiras obras de arte que deixam transparecer uma sublime espiritualidade para aqueles que confiam naqueles que elas ali representam, São mistérios de fé, mas o " povo " também diz que a fé é quem nos salva.

       Se puder, não deixe de aliar uma coisa à outra e tente viver a plenitude da felicidade.

 Na passagem do aniversário do célebre " Escultor Aleijadinho ", testemunhamos-lhe a gratidão de já ter visto em Congonhas do Campo e na bela cidade de Ouro Preto, a sua valiosa obra, filha da semente lançada po Portugal.

 

                                                               Artur Monteiro do Couto



publicado por belezaserrana às 15:47
link do post | comentar | favorito
|

Sapiãos (Boticas)
subscrever feeds
pesquisar
 
Vida Rural em Sapiãos
Do namoro ao casamento

Aspectos da vida rural
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
Sapiãos no mapa

Ver mapa maior
subscrever feeds
blogs SAPO