belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Quinta-feira, 29 de Março de 2012
O CÂNTICO DAS SAUDADES INTERGERACIONAIS

                       

                        88 anos de idade - pesa 28 quilos

 

 

     

        De miúdos habituámo-nos a cantar:

 

      «Ai, não há gente

Mais valente e prazenteira

Do que esta cá da fronteira

Do Norte de Portugal.

       Nem tão alegre

Como a tua ó Montalegre

Gente forte cá do norte

Que nada teme afinal.»

 

                  (…)  

 

  É Montalegre o meu suave cantinho

  Chamem-lhe embora os outros Terra Fria

      

                   (…)  

 

     Foi assim que saudosamente se repetiu esta marcha-canção na CTMAD

(Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa), num local privilegiado da capital onde abundam os hotéis e casas de luxo, aquecidas de Inverno e refrescadas de Verão, no dia 24 de Março, numa reunião de Barrosões.

     Antes de degustar o cozido à barrosã, dinamizado pela Lurdes e o António Medeiros Amaro, saboreámos as belíssimas imagens históricas e paisagísticas de um concelho do tamanho da Ilha da Madeira, realçando-se a figura de D. Nuno Álvares Pereira, familiarmente ligado a Salto, e a do Descobridor da Costa Califórnia, Rodrigues Cabrilho, nascido em Lapela nas fraldas do Gerês.

    

     A descrição oral das bênçãos e desgraças da Terra Fria saiu  fluentemente do talento e da acumulação de saberes do Professor Orlando Alves que, sem papas na língua, fez uma análise esclarecedora das razões que obrigaram tantos Barrosões a abandonar o seu ninho construído sobre a miséria económica que os viu crescer , alguns esfomeados e descalços, o que tudo acumulado, os obrigou a dizer adeus, com as lágrimas nos olhos e o coração a sangrar, aos familiares, aos cães, às ovelhas, às vacas e aos brinquedos feitos pelo fio das navalhas compradas na  Feira dos Santos. Aquela violência moral da partida,  fortaleceu o desejo de voltar e contribuir solidariamente para alterar aquele frio intenso que esmagava os corpos e as almas. E muitos, conquistaram o sucesso em terra alheia, lá pelas Américas, pelos montes, vales e cidades da Europa, transformando as lágrimas em sorrisos e a sorrir voltaram para substituir a miséria por uma qualidade de vida aceitável para os que partiram e para os que ficaram.

      Em Lisboa, no Porto e no Portugal do litoral, também vieram assentar arraiais muitos de nós. Uns mais privilegiados outros mais castigados, todos fomos dando as mãos, ajudando-nos mutuamente, cá longe, e a solidariedade foi-se alimentando nas diferentes Casas de Trás-os-Montes das diferentes localidades distantes, onde os transmontanos matavam saudades das origens.

     Foi exactamente na Casa Transmontana de Lisboa que se reviveram as origens barrosãs. Desta vez, sentiu-se e cantaram-se as virtudes e o progresso operado dentro dos 800 quilómetros quadrados do concelho de Montalegre. Além das tradicionais bruxas e bruxedos do Padre António Fontes, há hotéis, bons meios de comunicação, riqueza gastronómica, televisão digital, modernas telecomunicações, tudo o que a vida moderna nos oferece e uma solidariedade humana bem visível nas práticas comunitárias diárias. Continua a lamentar-se o desprezo institucional pelos que trabalham a terra e que, continuamente, vêem  as florestas dos seus baldios a serem impiedosamente queimadas e o fruto do seu trabalho agrícola a ser desprezado por quem tem o dever de os apoiar.

      Vivamos nós em Lisboa, nas grandes cidades ou em países ricos como a França, Alemanha, Suíça, ou nas Américas do Norte ou do Sul, temos de levantar a nossa voz e dar o nosso apoio àqueles que por lá ficaram a defender as nossas origens, a nossa cultura e aquilo que sempre nos acompanha durante a nossa existência: a harmonia, a paz social e as portas abertas aos vizinhos, para que não passem fome nem morram abandonados e permaneçam mortos em casa durante meses ou anos sem ninguém saber deles. As populações caminha a passos largos para o envelhecimento e, infelizmente, nem todos os mais idosos têm o carinho daquela que vemos na imagem, com 88 anos de idade e com 28 quilos de peso. A Delmira Queiroga vive com os familiares, amigos e conterrâneos no seu coração e no seu pensamento, espalhados por esse mundo fora. As saudades são muitas mas encara a vida com a esperança de os beijar de novo.

             

                           Artur Monteiro do Couto



publicado por belezaserrana às 19:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 20 de Março de 2012
REVOLUÇÃO NO SECTOR TURÍSTICO

   

             PROMOÇÃO na (BTL) -Bolsa de Turismo 2012, em Lisboa

                                  

 

 

   

        REVOLUÇÃO NO SECTOR TURÍSTICO

           DO ALTO TÂMEGA EM PROJECTO

 

    PEDRAS SALGADAS, VIDAGO e CHAVES foram, até à data, a maior,

 se não a única, força dinamizadora do Turismo para todo o Alto Tâmega.

 

 Há condições naturais e condições exógenas que têm de aliar-se para que as alianças resultem.

 

    Tudo começou à volta das características das águas naturais que evoluíram para Termais e remédios para doenças específicas:

 - Pedras Salgadas: afecções dos aparelhos digestivo, respiratório e afecções associadas ao fígado e à vesícula biliar, entre outras indicações para a saúde e bem-estar.

 - Vidago - indicações terapêuticas: afecções do sistema osteo-articular, enxaquecas e patologias dermatológicas, afecções das vias respiratórias entre outras.

 - Termas de Chaves ( www.termasdechaves.com ). A água não é engarrafada nem vendida dentro e fora do país, como a das anteriores, mas tem umas características especiais para as afecções reumáticas e músculo-esqueléticas que atraem a presença de muitos milhares de pessoas para tratamentos nas suas óptimas instalações, implantadas junto a um belo parque, que tem vindo a crescer à sua volta.

     Os parques ajardinados de Vidago e Pedras Salgadas são uma referência a nível nacional. O Hotel  PALACE VIDAGO, classificado com cinco estrelas, comanda a indústria hoteleira, já existente no concelho de CHAVES: Hotel Casino, Hotel de São Francisco, Casas de Turismo Rural, etc. que rivalizam com as melhores do país. Há boas instalações para os mais ricos e menos ricos.

 

     Surgiu agora um grande projecto do Presidente da Câmara de Vila Pouca de Aguiar, Dr. Domingos Dias, a realizar entre 2012 e 2020, que vai introduzir uma mais-valia significativa para todo o Alto Tâmega. E pelo que li, o projecto está bem delineado e exequível porque parte de uma realidade conhecida dentro e fora de Portugal – as Pedras Salgadas – cuja água engarrafada, agora pertença da UNICER, continua a ser o melhor remédio para milhões de consumidores.

    Aliando os financiamentos da Unicer com os resultantes das indemnizações pagas pela IBERDROLA, empresa espanhola, como contributo indemnizatório pela construção das barragens

(infra-estruturas hidroeléctricas denominadas “ Cascatas do Tâmega “, e comparticipação de fundos comunitários, não há dúvida que os planos da autarquia vão ser viáveis.

 O Dr. Domingos Dias disse: «Procuraremos aproveitar tudo o que temos. Temos um património religioso material muito rico, temos umas minas romanas das maiores da Europa, temos o Parque Termal das Pedras Salgadas, temos belas paisagens, uma grande qualidade de seres humanos que habitam as nossas aldeias e que guardam no seu seio um grande património cultural imaterial, enfim, temos de criar apenas infra-estruturas dinamizadoras, dando corpo a mais rotas turísticas específicas, a juntar às que já possuímos.» «Esta aposta no turismo deverá trazer aqui mais de 300 mil visitantes por ano e um volume de negócios que deverá rondar os 30 milhões de euros; será a responsável por inverter os fenómenos da desertificação, do envelhecimento da população e do desemprego.»

      Como conheço a região envolvente de Vila Pouca de Aguiar, acrescento que o concelho de Ribeira de Pena, sobretudo a que irá fazer parte dessa “Cascata do Tâmega” porque abrange uma das zonas mais belas do país, poderá valorizar estes passeios. Toda aquela panorâmica é encantadora e o projecto de aposta em espaços verdes, como exemplificou o Eng.º Germinal Rodrigues, vice-presidente da Câmara, no encontro com o Agrupamento de Escolas na promoção da Semana da Floresta, está em consonância com a do seu vizinho, Presidente de Vila Pouca de Aguiar.

 

                                Artur Monteiro do Couto



publicado por belezaserrana às 17:22
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 13 de Março de 2012
A ECONOMIA do PORCO e da GALINHA no PORTUGAL NORTENHO.

 

  

                                           DAQUI NASCEU O FOLAR

        

    Nos meses frios de Novembro e Dezembro começam os encontros gastronómicos

 na devoragem apetitosa de tudo quanto pertence ao “Porco” que, depois de bem nutrido e lavado, como nunca lhe fizeram em vida, vai ter honras e elogios mais repetidos do que sucede com políticos que se dirigem àquelas paragens em época de campanhas eleitorais.

   As homenagens aos suínos começam lá para as bandas de Montalegre e vão-se alargando a Boticas, Chaves, Valpaços, Mirandela, Vinhais e por todas as regiões transfonteiriças. Saem à rua as Bandas Musicais, os concertinistas e cantores ao desafio, os ranchos folclóricos, os gaiteiros portugueses, espanhóis e de outras paragens, animando os visitantes enquanto estes saboreiam os presuntos, salpicões, orelheiras, alheiras, chouriças só de carne ou com farinha, (farinheiras) e - ao morto, nem os pés lhe deixam em paz. Comem-lhe tudo, dos pés à cabeça. E os que viveram ao seu lado e os trataram com todo o carinho, em vez de chorarem pelos amigos, sorriem e sentem-se orgulhosos por comprarem, pagarem e comerem tudo; ou nas festas do fumeiro em terras transmontanas ou mais tarde por esse mundo de Cristo além. O apetite de chorar é afastado pelos milhares de €uros que vão circular na economia doméstica, bastante carenciada em tempos malvados para a gente do campo.

 

       Aproxima-se a Primavera e com ela a Festa da Páscoa lembrando as agruras e alegrias da morte e Ressurreição de Jesus Cristo.

 

       Entra em acção o ciclo da economia galinácea. Os ovos, fruto do amor infiel do galo cantador e da amante ocasional, galinha, vão ser os reis da festa gastronómica da “Passagem = Páscoa” dando origem aos excelentes folares de CHAVES, mais célebres os do João Padeiro, e a milhões deles que se foram e vão espalhando pelo mundo. Eles têm o condão de transformar a farinha-triga, saída dos seus campos ou do Continente do Senhor Belmiro, em ouro comestível, com carne do amigo de quem acabámos de falar ou sem carne. O azeite, biológico ou não, com mais ou menos acidez, dá-lhe brilho, é uma espécie de passagem pelas mãos dos artistas polidores, como vimos há dias, na Televisão, a fazer às jóias. É que eles também passam pelo calor do forno, seja ele aquecido a lenha, como nos fornos comunitários do Barroso ou pelos que vieram trazidos pelas modernices.

     E as galinhas poedeiras, … também vêm pôr euros nos bolsos das patroas para comprarem as televisões digitais necessárias para ver as telenovelas e aprenderem a falar português e espanhol .

      - Ora vejam só, e quem diria -  que os Porcos e os Galináceos  têm um papel tão importante na economia doméstica do país dos pobres.

 

     BOAS-FESTAS e  FELICIDADES, para quem produz e quem come.

                          Artur Monteiro do Couto



publicado por belezaserrana às 19:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 5 de Março de 2012
BELEZAS DO MUNDO TURÍSTICO EXPOSTAS NA BTL(BOLSA de TURISMO DE LISBOA)

 

   

 

     PAVILHÃO DO BRASIL NA BOLSA DE TURISMO DE LISBOA

 

    Todos os continentes estiveram representados na BTL a fazer a promoção das suas belezas naturais, arquitectónicas, paisagísticas e humanas,envolvendo a sua cultura com lindíssimas imagens e sons tudo convidando os visitantes a contactarem as Agências de Viagem, meterem-se no avião que os conduzissem a esse país maravilhoso que os Portugueses descobriram e ajudaram a crescer em dimensão, na cultura, nas danças e cantares e na alegria ímpar dos "Cariocas". Para local mais próximo, a nossa irmã Espanha, oferecia eficiência, a festa, praias, bons hotéis e o salero encantador das "Sevilhanas" e não só. Em promoção turística ninguém bate a Espanha e o Brasil. Com simpatia e eficiência, as suas operadoras são imbatíveis. Os Países da Lìngua Portuguesa, vindos de longe, apresentaram atracções com futuro neste mundo de lazer, de prazer e de negocios: Angola, Moçambique, S. Tomé e Príncipe, Cabo Verde, a Guné e Timor são outros destinos em crescendo, como disse na entrevista que dei para a Televisão de São Tomé. Já visitei Angola, Moçambique e São Tomé; visitei " in loco " algumas dessas maravilhas.

           Desejamos os maiores sucessos a todos os expositores que, desta forma, estão a contribuir para um mundo mais fraterno, admirando e respeitando as diferenças enriquecedoras de todos nós.

           Voltaremos, com mais pormenores, em referências posteriores, mais descritivas, com destaque, como é evidente, para alguns aspectos portugueses.

 

                 Artur Monteiro do Couto  



publicado por belezaserrana às 22:32
link do post | comentar | favorito
|

Sapiãos (Boticas)
subscrever feeds
pesquisar
 
Vida Rural em Sapiãos
Do namoro ao casamento

Aspectos da vida rural
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
Sapiãos no mapa

Ver mapa maior
subscrever feeds
blogs SAPO