belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Terça-feira, 29 de Janeiro de 2013
PORTUGAL ATACA O MAU OLHADO COM REMÉDIO DAS BRUXAS

 

 

  EMIGRANTES CULTOS, a trabalhar nos mais variados países,

ontem, no programa Prós & Contras da RTP, deram testemunhos que todos os Portugueses deviam ouvir e guardar com orgulho. Portugal não é um País de mentecaptos nem de preguiçosos. Há de tudo como nos outros. Gente culta, trabalhadora, optimista e com alguns semeadores de desgraças e pessimismo, incluindo determinados Meios de Comunicação Social, que confundem governos que não lhes facilitam a vida com um País que os estrangeiros elogiam e amam, mais do que alguns arautos da desgraça. Alguns destes, podem sair à vontade para bem longe que ninguém fica a chorar por eles.

  Voltemos às festas. As Televisões têm semeado alegria, cultura popular e erudita por todo o mundo; sobretudo aos sábados e domingos. Mesmo debaixo de chuvadas, neves e ventanias, artistas credenciados e outros em formação, alegram o Povo, inspiram-lhe esperança em dias melhores e todos, ou cantando, dançando; entre saberes e sabores regionais dá gosto participar na festa total.

  Na festa do fumeiro de Montalegre, região encaixada na Galiza, o Ecomuseu de Barroso foi uma das vedetas a associar-se às vedetas vivas que foram desfilando pelo palco principal durante meia dúzia de horas. Até o capelão dos bruxos, o célebre padre Lourenço Fontes de Vilar de Perdizes, marcou presença com os seus remédios tradicionais que durante séculos iam dando saúde e esperança aos doentes.

   As ervas mais atraentes foram as que se opõem aos maus olhados…

  O jornalista Nuno Eiró, acreditou na virtude destas ervas e empunhando-as, quando as jovens e atraentes vedetas subiram para dar o espectáculo com as suas elegantes e atraentes pernas e alguns olhos pareciam querer engoli-las, o Nuno passava-lhas em frente para afugentar os maus olhados… e entre a chuva, o vento e a neve espalharam alegria a rodos… E lá diz a Marcha: “« Ai não há gente tão alegre e prazenteira, como esta cá da fronteira do Norte de Portugal…»

Mas enquanto os “simples e solidários cantam e dançam» os tais que são combatidos com o chá do mau olhado…, gritam nas Avenidas de Lisboa e de outras cidades. A estes, os camponeses repetem-lhes a “sua canção:”

  «Se tu me chamas amigo, prova-me lá que o és, vem para o campo comigo na terra sujar os pés…»

 

  Já agora deixamos o registo de uma “canção popular” muito melodiosa dedicada a um         «Consertinista», conhecido como o Tocador de Travassos. (Lucindo»

 

                  

 

       O Tocador de Travassos, Ai,

       Enganou uma menina;

       Trazia o retrato dela, Ó Ai,

       Nas costas da “consertina”.

 

       Nas costas da consertina, Ai,

       Nas costas do violão;

       -  Eu ia casar com ela,

       Mas a mãe dela, ó que aflição!

 

       Eu enganar, enganei-a, Ai!

       Mas ela bem no sabia:

       Eu ia dormir com ela,

       Porque a mãe dela mo consentia!

 

            Coordenação de

            Artur Monteiro do Couto



publicado por belezaserrana às 19:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 15 de Janeiro de 2013
MIGUEL TORGA E A LUTA ENTRE OS BOIS DE BARROSO.

 

 «Avisado por um amigo de que havia hoje cá na terra uma chega de toiros,

 

meti-me a caminho debaixo dum temporal desfeito, e tanto teimei com a chuva, o vento e o granizo, que consegui chegar a horas de assistir ao combate. E valeu a pena. Se há em Portugal meia dúzia de espectáculos que merecem ser vistos, este é um deles. Primeiro, as bichezas, depois de nove voltas propiciatórias à capela do orago e da sanção da bruxa, a sair dos respectivos lugarejos, rodeados pela juventude dos dois sexos, enquanto o sino toca a Senhor fora e o mulherio idoso reza implorativamente aos pés do Santíssimo; a seguir, a chegada dos cortejos ao Toural da vila, as cerimónias preliminares do encontro – vistoria rigorosa dos animais (não tragam eles pontas de aço incrustadas nos galhos), a escolha do piso, dar o que pode, no esforço hercúleo de não perder um palmo de terreno, ou ganhá-lo

apenas cedido. Turra que dura eternidades de emoção, e só termina quando uma das bisarmas fraqueja, recua, e acaba por fugir.

   Não é, contudo, a luta gigantesca, apesar de empolgante, o que mais diz ao espectador forasteiro. É o halo humano que a envolve, os milénios de ancestralidade que ela faz vir à tona da assistência. Símbolo de virilidade e fecundidade, o boi é na região o alfa e o ómega do quotidiano. Cada povoado revê-se nele como num deus. Vitorioso, cobrem-no de flores; derrotado, abatem-no impiedosamente. Quando há minutos a turra acabou, depois de a viver numa tensão de que a palidez de um padre a meu lado era a síntese, toda a falange que torcia pelo vencido parecia capada.             

              (Miguel Torga in “Diário XI”, 2ª edição, páginas 68/69)

        Recolha dos doutores Barroso da Fonte e Laureano Gonçalves

 

                  Artur Monteiro do Couto



publicado por belezaserrana às 15:11
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2013
O VELHO AMIGUINHO DAS CRIADAS DE SERVIR MORREU

                         MUSIC TRADITIONAL PORTUGUESE

                                    (Fácil e bonita)

        O VELHO ATREVIDO NO TEMPO EM QUE NÃO HAVIA "VIAGRA"

 

 

 

OLHA O VELHO, OLHA O VELHO

  OLHA O VELHO ATREVIDO:

  DIZER-ME NA MINHA CARA,

  QUE QUERIA CASAR COMIGO!

 

  SE QUISER CASAR COMIGO,

  HÁ-DE SER NA CONDIÇÃO:

  EU DORMIR EM CAMA FOFA
  E O VELHO DORMIR NO CHÃO.

 

  LEVANTEI-ME MANHÃ CEDO,

  LEVANTEI-ME A COZINHAR:

  ENCONTREI O VELHO MORTO,

  NAS PEDRINHAS DO MEU LAR.

 

  SENHOR MESTRE SAPATEIRO,

  CHAME PELO SEU VIZINHO;

  ELE QUE VÁ TOCAR OS SINOS,

  JÁ MORREU O MEU VELHINHO!

 

   FAÇAM-LHE A COVA FUNDA,

   P`RA QUE NÃO POSSA SAIR;

   QU`ELE ERA BEM AMIGUINHO,

   DAS CRIADAS DE SERVIR …

  

   QU`ELE ERA BEM AMIGUINHO,

   DAS CRIADAS DE SERVIR …

 

     (Era transmontano de raça...)

 



publicado por belezaserrana às 18:51
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 7 de Janeiro de 2013
MÚSICA TRADICIONAL PORTUGUESA SUAVIZA A CRISE. CANTE E DANCE.

                              MUSIC TRADITIONAL PORTUGUESE

 

 

        Vamos todos cantar música tradicional portuguesa

     para combater a tão famosa crise do mundo ocidental.

                Tente conquistar uma “ Bonita Laurinda”,

                        utilizando esta canção popular:

 

 

 

   

                                 

                                    Refrão: Adeus ó Laurinda,

                                                 Ó Laurinda, adeus, adeus;

                                                 Adeus ó Laurinda,

                                                 Os teus olhos já são meus.

 

   Os teus olhos de chorar,

   Já nenhuma graça têm;

   Já os tenho repreendido…

   Que não chorem por ninguém!

 

                            Refrão

                            Adeus ó Laurinda,

                                   … … …

 

  Os teus olhos já são meus,

  Ao teu pai te vou pedir;

  Se ele não te quiser dar

  Contigo quero fugir!

 

 

 Os teus olhos cor do céu,

 Ficam-te bem nesse rosto;

 Se eles não forem meus,

 Terei um grande desgosto.

 

                      Refrão

                      Adeus ó Laurinda…

                            … … …

 

 Os teus olhos são tão lindos,

 A eles eu vou querer;

 Se tu não casares comigo,

 Sem ti não posso viver…

 

               Refrão: Adeus ó Laurinda,

                            Ó Laurinda adeus, adeus;

                            Adeus ó Laurinda,

                            Os teus olhos já são meus.

 

 

                  (Transmontanos pelo Mundo a cantar)

                             Agora e sempre.

  

 



publicado por belezaserrana às 21:17
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2013
CRIANÇA NASCEU NAS ÁGUAS MORNAS DO RIO TÂMEGA.

 

   

         Era Verão. A água corria serena junto à Praia de Vidago,

a caminho do rio Douro que a iria projectar no Oceano Atlântico, banheiro natural da cidade do Porto.

      Na margem esquerda habitava um jovem casal vindo das serras pobres, duras, incultas e frias do Barroso que encontrou um ambiente paradisíaco, povoado por vinhedos e pomares de cerejeiras, macieiras, pereiras, oliveiras e pinheiros mansos. Tudo se dava naquela quinta idílica da Ribeira, onde o sumo de Baco facilmente atingia os 14 (catorze) graus, tanto o branco como o tinto.

      Há umas dezenas de anos, numa manhã agradável, o imprevisível aconteceu: uma jovem e elegante Senhora, geradora do dom da vida, tinha um tesouro no seu ventre. Quando decidiu entrar no barco, na companhia do seu amor de sempre, para o acompanhar até ao moinho situado na margem direita, a poucos metros de distância do seu doce lar, eis que o fruto de um grande amor recíproco surgiu dentro do barco como um novo passageiro masculino, soltando a saudação habitual de quem penetra num novo mundo. Os Pais, entre a alegria e a preocupação da surpresa serenaram com um sorriso nos lábios e um crescendo de amor no coração. Calmamente, o pai segurou-o pelos pés e mergulhou-o nas águas cristalinas e abençoadas do rio Tâmega, transportador de beleza e de esperança. Quando o retirou já lavado, colocou-o nos braços maternais e exclamou: o nosso menino é muito lindo; bendito seja Deus por nos ter dado esta prenda.

     O moinho ficou para trás. De regresso a casa, dentro das toscas tábuas de madeira que faziam lembrar as que partiram do Tejo à procura de novos mundos, os progenitores vinham cantando uma canção de amor: o nosso Menino vai dar-nos muitas alegrias. Vamos continuar a trabalhar para o fazer feliz. E o bebé foi crescendo. Todos os centímetros eram medidos pela fita do amor. A beleza dos seus olhos e os sinais de conforto daquele dom de Deus semeavam felicidade no casal Barrosão. O Menino cresceu entre os aromas perfumados das flores que adornavam o ambiente campestre. E esse aroma espalhou-o em casa, nas escolas onde estudou, nos lugares onde trabalhou, todos bem diferentes e longos; desde os mais humildes até à grandeza da Cidade capital do país. E, como se lê no DICIONÁRIO dos MAIS ILUSTRES TRANSMONTANOS e ALTO DURIENSES, coordenado pelo Dr. Barroso da Fonte, «Aqui, em Lisboa, atingiu o topo da carreira, com muitos e bons anos de competente serviço e dedicação à causa pública que serviu exemplarmente.»

     Abençoados os seios que o amamentaram e as mãos calejadas que o iniciaram num percurso de sucesso.

 

     Orgulhamo-nos de O ter como amigo.  

            Artur Monteiro do Couto

 



publicado por belezaserrana às 21:48
link do post | comentar | favorito
|

Sapiãos (Boticas)
subscrever feeds
pesquisar
 
Vida Rural em Sapiãos
Do namoro ao casamento

Aspectos da vida rural
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
Sapiãos no mapa

Ver mapa maior
subscrever feeds
blogs SAPO