belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Quinta-feira, 29 de Março de 2012
O CÂNTICO DAS SAUDADES INTERGERACIONAIS

                       

                        88 anos de idade - pesa 28 quilos

 

 

     

        De miúdos habituámo-nos a cantar:

 

      «Ai, não há gente

Mais valente e prazenteira

Do que esta cá da fronteira

Do Norte de Portugal.

       Nem tão alegre

Como a tua ó Montalegre

Gente forte cá do norte

Que nada teme afinal.»

 

                  (…)  

 

  É Montalegre o meu suave cantinho

  Chamem-lhe embora os outros Terra Fria

      

                   (…)  

 

     Foi assim que saudosamente se repetiu esta marcha-canção na CTMAD

(Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa), num local privilegiado da capital onde abundam os hotéis e casas de luxo, aquecidas de Inverno e refrescadas de Verão, no dia 24 de Março, numa reunião de Barrosões.

     Antes de degustar o cozido à barrosã, dinamizado pela Lurdes e o António Medeiros Amaro, saboreámos as belíssimas imagens históricas e paisagísticas de um concelho do tamanho da Ilha da Madeira, realçando-se a figura de D. Nuno Álvares Pereira, familiarmente ligado a Salto, e a do Descobridor da Costa Califórnia, Rodrigues Cabrilho, nascido em Lapela nas fraldas do Gerês.

    

     A descrição oral das bênçãos e desgraças da Terra Fria saiu  fluentemente do talento e da acumulação de saberes do Professor Orlando Alves que, sem papas na língua, fez uma análise esclarecedora das razões que obrigaram tantos Barrosões a abandonar o seu ninho construído sobre a miséria económica que os viu crescer , alguns esfomeados e descalços, o que tudo acumulado, os obrigou a dizer adeus, com as lágrimas nos olhos e o coração a sangrar, aos familiares, aos cães, às ovelhas, às vacas e aos brinquedos feitos pelo fio das navalhas compradas na  Feira dos Santos. Aquela violência moral da partida,  fortaleceu o desejo de voltar e contribuir solidariamente para alterar aquele frio intenso que esmagava os corpos e as almas. E muitos, conquistaram o sucesso em terra alheia, lá pelas Américas, pelos montes, vales e cidades da Europa, transformando as lágrimas em sorrisos e a sorrir voltaram para substituir a miséria por uma qualidade de vida aceitável para os que partiram e para os que ficaram.

      Em Lisboa, no Porto e no Portugal do litoral, também vieram assentar arraiais muitos de nós. Uns mais privilegiados outros mais castigados, todos fomos dando as mãos, ajudando-nos mutuamente, cá longe, e a solidariedade foi-se alimentando nas diferentes Casas de Trás-os-Montes das diferentes localidades distantes, onde os transmontanos matavam saudades das origens.

     Foi exactamente na Casa Transmontana de Lisboa que se reviveram as origens barrosãs. Desta vez, sentiu-se e cantaram-se as virtudes e o progresso operado dentro dos 800 quilómetros quadrados do concelho de Montalegre. Além das tradicionais bruxas e bruxedos do Padre António Fontes, há hotéis, bons meios de comunicação, riqueza gastronómica, televisão digital, modernas telecomunicações, tudo o que a vida moderna nos oferece e uma solidariedade humana bem visível nas práticas comunitárias diárias. Continua a lamentar-se o desprezo institucional pelos que trabalham a terra e que, continuamente, vêem  as florestas dos seus baldios a serem impiedosamente queimadas e o fruto do seu trabalho agrícola a ser desprezado por quem tem o dever de os apoiar.

      Vivamos nós em Lisboa, nas grandes cidades ou em países ricos como a França, Alemanha, Suíça, ou nas Américas do Norte ou do Sul, temos de levantar a nossa voz e dar o nosso apoio àqueles que por lá ficaram a defender as nossas origens, a nossa cultura e aquilo que sempre nos acompanha durante a nossa existência: a harmonia, a paz social e as portas abertas aos vizinhos, para que não passem fome nem morram abandonados e permaneçam mortos em casa durante meses ou anos sem ninguém saber deles. As populações caminha a passos largos para o envelhecimento e, infelizmente, nem todos os mais idosos têm o carinho daquela que vemos na imagem, com 88 anos de idade e com 28 quilos de peso. A Delmira Queiroga vive com os familiares, amigos e conterrâneos no seu coração e no seu pensamento, espalhados por esse mundo fora. As saudades são muitas mas encara a vida com a esperança de os beijar de novo.

             

                           Artur Monteiro do Couto



publicado por belezaserrana às 19:46
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De belezaserrana a 11 de Maio de 2012 às 22:05
Sobre a Senhora representada na imagem passaram
dois annos. Exactamente hoje a D.Delmira completa 90
(noventa anos). A imagem permanece e a estatura moral, a bondade, a solidariedade com os seus vizinhos continua. De casa em casa vai visitando os doentes e sorrindo para crianças e adultos, ricos e pobres. Cultiva as flores do seu jardim para enfeitar os altares das suas igrejas, em alturas de festas, casamentos e cerimónias religiosas. É uma espécie de Madre Teresa de Calcutá a viver na aldeia que ajudou a crescer e cultivar ao longo dos noventa anos de vida.Desejamos-lhe a celebração do centenário com a mesma vivacidade que a tem caracterizado. Um conterrâneo amigo e admirador.


Comentar post

Sapiãos (Boticas)
subscrever feeds
pesquisar
 
Vida Rural em Sapiãos
Do namoro ao casamento

Aspectos da vida rural
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
Sapiãos no mapa

Ver mapa maior
subscrever feeds
blogs SAPO