belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2014
ORIGENS NÃO DISTANTES DE AVÓS E NETOS - NADA CONFORTÁVEIS.

                                                                   Foto de Fiães do Tâmega -Portugal

                        «  CASA TÍPICA DE PEQUENO LAVRADOR »

 

«Ao romper da manhã, o Alcino acordou. Pôs-se à escuta.

Não chovia. Pela clarabóia e frinchas da janela entrava difusa a claridade. Aspirou o ar pesado do pequeno quarto e espreguiçou­-se. Deitou a roupa para o lado. Olhou para a feliz consorte que dormia. A ele, também lhe apetecia ficar mais um bocado a "chocar os ovos". Mas não o podia fazer. Tinha que ir pensar o gado e ver a tornada do lameiro do “Fojo.”

Saltou para o sobrado. Com os pés firmes, depois de atar os atilhos das ceroulas, vestiu as calças e a camisa. Enfiou os pés nos tamancos e, apressadamente, dirigiu-se a um canto do pátio.

Regressou ao piso superior. Dirigiu, depois, os passos para a varanda. Ali, lavou a cara numa bacia de esmalte encatrafiada num lavatório de ferro. Após a lavagem, rápida, lançou a água pela varanda para o pátio. Limpou-se a uma toalha de estopa. Mas tremia. Dos lados de Barroso, um vento glaciar que cortava como navalhas de barba. Foi ver-se a um espelho dependurado num prego, espetado num dos pilares de madeira.

A casa do Alcino era a típica casa de pequeno lavrador.

Era composta, no rés-do-chão, por um amplo pátio e as lojas dos animais. Ao fundo, debaixo do coberto, recolhia o carro, o arado, a grade, os ladranhos e outras alfaias agrícolas. Numa divisória lateral mais pequena, construída com tábuas a trouxe-mouxe, arrecadava as molhelhas, o jugo, as sogas, as cordas, a gadanha, o gadanho,  as seitouras, o machado, as sacholas, a enxada, etc… Do lado oposto, por debaixo do alpendre, ficavam as coelheiras e a arrecadação da lenha.

 Na margem esquerda, as duas portas que davam para as cortes separadas; uma, para os bois e outra para o burro e as ovelhas. Do lado de fora, logo à direita de quem subia, uma outra porta que dava para a pequena adega.

Depois de um lanço de oito escadas de pedra, ficava o patamar.

Entrava-se numa varanda de madeira onde, dependurados a esmo, se viam objectos como: chapéus de palha, espigas de milho, duas seitouras velhas e ferrugentas, uns alforges, a albarda do burro, um casaco cheio de remendos, um espelham a que já aludimos, o lavatório com a respectiva bacia, um jarro sempre com água e um regador.

Ao fundo, em paredes – meias com a casa do Celestino, ficava um pequeno compartimento que, em caso de necessidade, servia para quarto de hóspedes

inesperados. Vasos de barro, dois penicos rotos, dois caixotes de sardinhas, três latas velhas e outros recipientes com terra, ornamentavam o frontispício com sardinheiras, manjericos e craveiros. Tudo colocado sobre uma tábua sustentada pelas colunas de pedra, na parte exterior do peitoril. A meio da varanda, para o interior, uma porta que dava para a divisão principal da casa e que servia de cozinha, sala de jantar e arrumação. Lateralmente, à direita, quando se entra, ficam os dois quartos de dormir, separados por um tabique de madeira. Num deles, dorme o casal e no outro os dois garotos. Eram muito semelhantes estes dois quartos, rusticamente mobilados com a cama, o baú (no do casal) e, pregadas na madeira, pagelas de Nossa Senhora da Livração e do Senhor do Monte. Também há um lugar mais enegrecido que corresponde ao prego onde se pendura a candeia. Em pregos caibrais, pendurados, os cabos das cebolas. Iam ficando aliviados à medida que o Inverno corria.

Debaixo da cama, os bacios de barro, para suprir as necessidades prementes durante a noite.

No que concerne à cozinha, a divisão principal, todo o mobiliário lá cabia à vontade e com segurança. Ladeando a lareira, dois escanos serviam de assento e mesa para tomar as refeições, no Inverno. Era agradável jantar e cear com o doce calor da lareira.

Por cima, os lareiros com o fumeiro eram uma tentação para os garotos e para os gatos.»                   

                     « Os Carreteiros »

                   Porfírio Maio Agostinho

 RECORDE  a vivência e obra do escritor ( N.1947- F 8 Setembro 2003)

          Seja solidário com as suas origens

                                                 arturcouto@clix.pt

 



publicado por belezaserrana às 19:05
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De A. A. a 19 de Fevereiro de 2014 às 23:39
Verdade nua e crua.
As seitoiras , os pregos caibrais , a molhelha , pensar o gado, os ladranhos , as sogas , etc., etc..
Há tanta gente sabida que nem sonha o que aquilo é, tenho a certeza!
Tudo aquilo me passou pelas mãos!
Bem haja ao Porfírio por ter deixado estas lembranças...
Parabéns ao Artur Couto por recordar!
A.A.


Comentar post

Sapiãos (Boticas)
subscrever feeds
pesquisar
 
Vida Rural em Sapiãos
Do namoro ao casamento

Aspectos da vida rural
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
Sapiãos no mapa

Ver mapa maior
subscrever feeds
blogs SAPO