belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Quarta-feira, 24 de Junho de 2009
A BRUXARIA CONTINUA PRESENTE NO IMAGINÁRIO IBÉRICO

 

         AS BRUXAS FAZEM PARTE DA CULTURA IBÉRICA
              
                                                          
                       O PADRE PROTECTOR DAS BRUXAS
       É UMA DAS FIGURAS MAIS CONHECIDAS EM PORTUGAL
         E DAS  MAIS PRESTIGIADAS DE TODOS  OS TEMPOS DA
                                     REGIÃO DO BARROSO.
 
           As “bruxas” e “bruxos” são pessoas de quem o povo diz terem pacto com o diabo, que adivinham o futuro e praticam artes misteriosas. Que podem fazer bruxarias, maldades por encomenda a quem eles quiserem, sobretudo a nível da saúde mental, e que os homens se envolvam com amantes e ponham os”palitos”ás suas mulheres, fabricando verdadeiras guerras familiares.
            O Padre, Dr.º António Lourenço Fontes, é um especialista em psicologia popular, porque veio do povo, sempre viveu no meio dele, como “Cura da Aldeia”, e sempre exerceu as funções de psicólogo, pela sabedoria e, sobretudo, porque as pessoas acreditavam nos seus poderes divinos.
  Conhecemo-lo bem desde criança, a partir do Barroso mais profundo e angustiante, em diferentes etapas da vida, desde as mais incógnitas até à projecção que lhe foi dada a partir dos estúdios da Radiotelevisão Portuguesa, no Lumiar e na Avenida 5 de Outubro em Lisboa, aonde o acompanhámos.
     -Era ele um jovem mal penteado, desgravatado, a falar à parola, lá à maneira das origens, mas era esse mesmo rapaz talentoso e culto que se ia sentar à frente de uma jovem elegante para falar com ele sobre Deus e os Diabos e que influência tinham Eles na vida dos humanos enclausurados lá nas montanhas, de onde viam o sol, o brilho das estrelas e pouco mais.
        O Cura da aldeia que a entrevistadora tinha ali à sua frente não era o habitual parolo que só sabia acenar com a cabeça quando lia o breviário, nem o ignorante de quem o povo dizia que o «cura da aldeia quer-se cante e que leia», e quanto ao resto, basta receber os alqueires de centeio. Pois é verdade, o desajeitado Padre Fontes, uma espécie de capelão dos bruxos, das aldeias e das cidades, começou a responder e a intervir com tal franqueza, humanismo e sabedoria que deixou todos os telespectadores admirados, excepto alguns médicos que viam ali concorrência desleal, por defender as medicinas alternativas; e também escandalizava alguns psicólogos, por considerar muitos destes, os bruxos da era moderna, pela similitude de argumentos junto dos doentes.
         Mas diz a sabedoria popular: a verdade é como o azeite, posto na água, vem sempre ao de cima. E o cura da longínqua aldeia, logo à primeira vez saltou muito alto. E depois de dar esse salto, a populaça nunca mais o deixou parar nem cair. Sucederam-se entrevistas televisivas para Portugal e para o estrangeiro. Toda a gente começou a falar que o Padre tinha pauta com Deus e com o Diabo e que ele podia fazer bem a muita gente, sobretudo aos possessos do demónio e acalmar os espíritos malignos que andam pelo Mundo para atentar as almas.
Os admiradores e influentes Herman José, Carlos Cruz, Raul Solnado, Fialho Gouveia e outros profissionais da Televisão nunca mais o largaram.
   Arrastados por esta corrente da Teologia Moderna ou pela força do “mafarrico”, chegaram emissários de todas as partes do Mundo. Uns para fazerem filmes culturais, ou com objectivos económicos, outros para estudarem estes fenómenos de massas ignorantes como estas; fosse por que fosse, durante décadas, -ou pela magia do bruxedo ou pela confiança nas “medicinas alternativas” todos os caminhos vieram dar a Vilar de Perdizes, Barroso, a terra das casas de colmo, cobertas de neve ou de geada, pessoas com a pele seca pelo fumo e calor das lareiras, vestidas com a lã das ovelhas e cobertas de capuchas, croças e de socos tapados nos pés. Este parecia e era um mundo à parte. Aos serões entretinham-se a contar histórias de bruxas que roubavam os maridos às mulheres, que tolhiam os gados e que para que nada de mal acontecesse, todos tinham de rezar pelas almas dos mortos e dos vivos. A maior parte da população vivia em escravidão psicológica total. Quando descobriram que o Senhor Abade Lourenço Fontes tinha poderes sobrenaturais, nunca mais o largaram, e este foi ouvindo e rezando, umas vezes com vontade e outras vezes sem ela. A caridade cristã assim lho exigia.
 - Reparem que, ainda hoje, na Telenovela daTVI,22-06-2009, “Deixa Que Te Leve”, se manda chamar o Prior para curar a Márcia que deve estar possuída pelo “barbudo”=”diabo” «Ela está mesmo possuída do demónio».
       Demos agora um salto na história. Outros dirão mais e melhor.
      O Povo de Barroso foi, no entanto, o melhor Professor do Padre Fontes. Ensinou-lhe a História milenar de gerações que foram passando o testemunho cultural de umas às outras, oralmente, com a mesma alegria com que as crianças vão passando os brinquedos de mão em mão. Só que, à medida que essas histórias lhe iam chegando, o seu confidente foi-as registando em livros e espalhado aos sete ventos pelos mais sofisticados meios de comunicação social, estando muito desse valioso património, agora guardado no Ecomuseu de Barroso e  nas Bibliotecas Nacionais e Municipais.
      Penso que todos os bons Barrosões vão ficar satisfeitos com um testemunho que recolhi directamente em Lisboa, de uma personagem que percorreu as Serras do Barroso a fazer programas de televisão mais do que uma vez: «O Padre Fontes tem lá na Região quem tenha ciúmes dele… Mas se um dia lhe tiram o Padre de lá, não fica lá ninguém que lhe chegue aos calcanhares… Vale tanto ele como os outros todos juntos, com quem contactámos.» Dito há anos. (J.A.C.), meu ex-aluno.
      Ao confidenciar isto, não quero nenhuma caça às bruxas, quero, sim, com mais ênfase, render a minha homenagem a todo o Executivo da Câmara Municipal, Assembleia Municipal e a todas Entidades e amigos que se uniram para construir, em conjunto, um monumento cultural, a um Homem simples do Povo, de onde saiu anónimo e sempre solidário com ele, nos bons e nos maus momentos que a vida a todos nos reserva.
Os Barrosões sempre foram grandes e orgulhosos da sua História, mas esta, ainda fica mais alta e gloriosa elevando, deste modo, um dos seus filhos mais ilustres, exactamente, enquanto vivo e activo.
                       Artur Monteiro do Couto
                                              
 
        


publicado por belezaserrana às 20:42
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



subscrever feeds
pesquisar
 
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
subscrever feeds
blogs SAPO