belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Terça-feira, 15 de Junho de 2010
A MINHA ALDEIA PORTUGUESA PELO MUNDO REPARTIDA

aldeia portuguesa pelo mundo repartida  Foto de       Rogériocmonteiro

                      

                             Nascida há muitas centenas de anos,

com berço instalado sobre o prolongamento das rochas altaneiras da Serra do Leiranco, com 1.134 metros de altitude, junto às águas cantantes do Ribeiro do Vale e um jardim de abundantes espécies erbáceas e arbóreas à sua volta, foi crescendo à medida da lentidão dos tempos e da fecundação da espécie humana. O mel e as plantas virtuosas ajudaram à conservação dos viventes, fustigados por violentas intempéries durante os nove meses de Inverno e três de inferno até ao aparecimento da medicina moderna.

 

                   Consolidada a espécie, alimentada, sobretudo, pelo leite das cabras e das vacas; pelas couves, batatas, castanhas, pão centeio, carne de porco e pequenos suplementos caseiros, sopraram ventos novos de outras paragens descobertas pelos navegadores e viandantes a pé descalço.

                   No século XVIII, cheirou a ouro do Brasil e constou que bastava “abanar a árvore das patacas” para regressar rico. A atracção surgiu fortíssima e imparável para alguns. E partiram de saco às costas com umas vestimentas artesanais, feitas nos teares que hoje são monumentos culturais, de gente serrana pobre, entre elas, umas ceroulas de atilhos feitas de linho, carapins de lã de ovelha tricotados pela avó ou pela mãe, aos serões, uns socos tapados nos pés e uma capa de borel às costas.

O jerico, também conhecido por burro, personagem patrono dos burros de duas patas, deu-lhes uma boleia em direcção ao barco que os iria colocar na outra banda do Atlântico.

                   A dor dos que os viram partir está bem expressa na observação que um emigrante de sucesso, (dono de sete empresas, algumas delas, fábricas que vendem na imensidão do Brasil) :

«Tio, eu quero estudar; … para carregar caixotes às costas e cavar nos jardins, não deixava meu pai chorando, escondido no palheiro por não ter coragem de me ver partir.» Estas palavras traduzem uma violência extrema, mas foram-me repetidas pelo próprio, quando já doutor me contou a sua história para uma entrevista a publicar em «A VOZ DE CHAVES».

                    E os Emigrantes, uns mais cultos, outros mais endinheirados,

todos, muito trabalhadores e poupados, repartiram a minha aldeia, (Sapiãos), pelos quatro cantos do Mundo e, com o apoio deles, foram construídos os monumentos mais importantes a partir do século XVIII, até aos nossos dias.

                    Durante o mês de Agosto, parece que estamos a viver dentro de uma Universidade Poliglota, num encontro alegre e rejuvenescido, interligados pelo sangue vivo que foi passando de geração em geração.

 

                                Artur Monteiro do Couto

Comentário ao texto : “ A minha aldeia pelo mundo repartida” pelo Dr. João Celorico do blog :

http://aldeiadaminhavida.blogspot.com

 

Olá, amigo Artur!

Bendita a terra que os seus não esquecem, mesmo espalhados pelas sete partidas do Mundo!

De muitas outras serras e vales,
e para terras bem distantes,
foram para esquecer seus males
muitos e muitos emigrantes.

Aqueles, que ninguém cala,
mostram felicidade e riqueza,
dos outros, ninguém fala,
ignorando-lhes a pobreza.

Mesmo assim, é bom de ver
e ler-lhes o pensamento,
emigrar não é esquecer
a sua terra um só momento.

E, ao partirem, sem alegria,
por outros por cá deixarem,
esperam que chegue o dia
de à sua terra regressarem.

E é vê-los então renascer
recebendo da família o calor.
Na terra, que os viu nascer,
a sua vida tem mais valor.

Destes “heróis”, no fundo,
o que nos fica, afinal?
Ficam, espalhados pelo Mundo,
pedaços do nosso Portugal!

Abraço,
João Celorico

30 de Junho de 2010 00:19

 

 



publicado por belezaserrana às 00:17
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Sapiãos (Boticas)
subscrever feeds
pesquisar
 
Vida Rural em Sapiãos
Do namoro ao casamento

Aspectos da vida rural
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
Sapiãos no mapa

Ver mapa maior
subscrever feeds
blogs SAPO