belezas paisagisticas e artisticas de Trás-os-Montes
Terça-feira, 22 de Junho de 2010
BARRAGEM PARADA POR CAUSA DO MEXILHÃO É «CÓMICO»

                       

  Entre as serras de Boticas,Chaves e Vila Pouca de aguiar corre o rio Tâmega, agora famoso pelas Barragens.

 

                    AS BARRAGENS, O TURISMO E AS FLORESTAS

 

      Na minha frente tenho o SEMANÁRIO  “A VOZ DE TRÁS-OS-MONTES”, nº 3129 de 3 de Junho 2010,

      dando voz às queixas da Cooperativa Agrícola e Câmara de Boticas contra o Estado, por não ter satisfeito as suas pretensões na reflorestação das áreas ardidas em Agosto de 2002. O estudo apontava para a introdução de plantas ornamentais e medicinais, reflorestação com folhosas e criação de pontos de água.

        Comentando a notícia, é sobre os pontos de água que quero fazer algumas observações.

Durante muitas dezenas de anos, nem Governos, nem Câmaras Municipais, nem Cooperativas Agrícolas pensaram dar prioridade aos pontos de água porque é precisamente nas freguesias onde tudo ardeu que mais água havia e há: Fiães do Tâmega (Veral),  Curros (Mosteirão), Pinho, etc., por aonde passa o rio Tâmega e agora vai ser construída uma das Barragens do Alto Tâmega. E se esta barragem estivesse feita em 2002 já as referidas áreas florestais não tinham ardido, já que o incêndio atravessou as águas dos rios Terva e Tâmega, parecendo estar a rir-se dos meios técnicos disponíveis para o combater, visto que as árvores das margens, nalguns pontos, tocavam umas nas outras e nem bombeiros, nem helicópteros conseguiam atingir os objectivos que os levaram ali.

      Observem esta fotografia tirada poucos dias antes do tal incêndio, a partir de Mosteirão,concelho de Boticas,voltados ao concelho de Chaves;

     Se em 2002 existisse a Barragem a separar as montanhas, sem prejudicarem ninguém, de uma forma visível, os helicópteros e os bombeiros poderiam facilmente abastecer-se de água e evitar a destruição total da floresta e das propriedades dos miseráveis agricultores que ainda não saltaram para outras paragens.  

 

     

          PARAR A BARRAGEM  por causa do “mexilhão” é «cómico» (PROFESSOR da UTAD)

      Esta notícia mereceu destaque no Telejornal da TVI, em 22 de Junho 2010.

 

Fonte do Ministério do Ambiente disse à Lusa que, «mediante medidas de reforço, a produção hidroeléctrica inicialmente prevista para o conjunto das quatro barragens mantém-se com a construção de apenas três».

Esta decisão da tutela «protege os valores ambientais sem colocar em causa a produção hidroeléctrica prevista».

 IOL Diário – Alto Tâmega.

Para o professor da UTAD, a solução «ideal» para o Alto Tâmega não passa por chumbar todas as barragens, até porque diz que a região está deprimida, económica e socialmente, e é uma área que não tem desenvolvimento económico e industrial.

«Temos que ser sensatos e temos que intervir nesta área para criar planos de desenvolvimento sustentáveis. Só que as barragens como estão projectadas não vão gerar desenvolvimento sustentável de forma nenhuma», frisou. O ideal seria, defendeu, «fazer o processo bem feito».

        Copiado de IOL Diário – Padroselo.(22 de Junho 2010)

 

Só espero não continuar a ver, o que tenho visto quase todos os anos durante as férias: as serras a arder, sem encontrar os responsáveis, que as populações não denunciam com medo de represálias, e os helicópteros a terem de percorrer longas distâncias à procura de água para se reabastecerem. A minha opinião sobre as Barragens está bem expressa noutros escritos deste blogue. Todos somos livres para expressar os nossos pontos de vista, sempre com o objectivo de cumprirmos um direito e dever de cidadania. Espero que seja encontrada a melhor solução, defendendo os interesses dos mais desprotegidos.

 

                                   Artur Monteiro do Couto



publicado por belezaserrana às 22:59
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Sapiãos (Boticas)
subscrever feeds
pesquisar
 
Vida Rural em Sapiãos
Do namoro ao casamento

Aspectos da vida rural
Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

SUBA AS MONTANHAS E VOLTE...

CHAVES RECEBEU EM FESTA A...

OUTONO CHEGOU FARTO, CHUV...

TERMAS DE CHAVES A GALIN...

MENSAGEM DOS QUE PEDEM PA...

O MEL TUTI_FLORES DÁ SAÚD...

HISTÓRIA DA ALDEIA ONDE ...

AS FLORES NÃO ENCOBRIRAM ...

HISTÓRIA DE CHAVES CONTAD...

ENTRE OS PORTUGUESES TRAI...

arquivos

Junho 2015

Março 2015

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

mais sobre mim
Sapiãos no mapa

Ver mapa maior
subscrever feeds
blogs SAPO